Jucemg faz doação de leitores de código de barras para a Funed

Publicado em: 29 de Dezembro de 2020, há 2 semanas.

Aparelhos serão utilizados na expansão da triagem de amostras de pacientes

A Junta Comercial do Estado de Minas Gerais, em mais uma ação social, disponibilizou para a Fundação Ezequiel Dias – Funed – 30 leitores de código de barras. Os aparelhos serão encaminhados ao Instituto Octávio Magalhães- IOM, uma instituição estratégica do Estado no enfrentamento da pandemia do coronavírus. O IOM é o laboratório de referência para o diagnóstico do Covid-19 em Minas Gerais.
Nas últimas semanas, o IOM tem registrado um vertiginoso aumento do número de amostras biológicas que chegam ao laboratório, o que exigiu da instituição uma revisão e otimização dos processos em toda a cadeia produtiva. Os leitores de código de barras doados pela Jucemg serão fundamentais na expansão do serviço de triagem das fichas de amostras dos pacientes.
O Instituto Octávio Magalhães faz parte da Funed desde o seu início, em 1907, e tem como objetivo realizar pesquisas cientificas no campo da medicina experimental, da biologia e patologia, da bromatologia e em quaisquer campos de interesse da área de saúde. Cabe ao IOM prevenir e controlar riscos à saúde por meio de atividades laboratoriais de ensaios, pesquisas, análise de dados, inovação e produção do conhecimento, fortalecendo as ações de vigilância em saúde e contribuindo para a promoção e proteção da saúde pública. 

Histórico de doações

Este ano, a Jucemg já promoveu a doação de móveis de escritório para a Associação dos Hemofílicos de Minas Gerais, uma entidade beneficente que faz parte da rede socioassistencial do município de Juiz de Fora. A associação tem como principal objetivo prestar serviços especializados em saúde na área de fisioterapia, aos pacientes portadores de hemofilia e à população carente, usuária do Sistema Único de Saúde-SUS. 
Também foram doados cerca de 650 móveis e outros utensílios para as Polícias Militar e Civil de Minas Gerais e o Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico (Iepha). A Jucemg também contribuiu para a montagem do Hospital de Campanha no Expominas, com a doação de fornos de micro-ondas, frigobares, armários e estantes para escritório.

Redução de despesas e investimentos

Estas doações só foram possíveis graças à política implantada de redução de custos, sem prejuízos para a qualidade e segurança dos serviços prestados aos cidadãos, uma orientação dada pelo governador Romeu Zema à nova gestão que assumiu a autarquia em fevereiro de 2019.  A sede da Jucemg, na capital, que ocupava 14 andares, passou a ocupar 8 andares, com um melhor aproveitamento dos espaços e de todas as salas. O atendimento presencial nos escritórios do interior também foi substituído pelo atendimento virtual, o que resultou em mais agilidade e menos burocracia na prestação deste serviço. Neste período de pandemia, a Jucemg passou a adotar o regime especial de teletrabalho, medida que permitiu no período de abril a outubro, um corte de gastos com custeio de 24% em comparação com o primeiro trimestre de 2020.

Uma outra medida pioneira na esfera do poder executivo estadual foi a suspensão do contrato de locação de veículos e, consequentemente, de motoristas que prestavam serviços à autarquia. A Jucemg passou a adotar o sistema de transporte por aplicativo. Esta mudança permitirá uma economia anual prevista de 81%, já que as despesas com este item passarão de R$ 85 mil para cerca de R$ 16 mil. De janeiro a outubro deste ano, houve o corte de cerca de 7% nas despesas gerais da Junta, o que representa R$ 1,7 milhão, em relação ao mesmo período do ano anterior. Esta redução de despesas permitiu à Junta Comercial investir principalmente em tecnologia, melhorando ainda mais o atendimento aos cidadãos, sem prejuízo na qualidade e na segurança dos serviços e sem aumentar os custos para o setor empresarial. 

Publicado em: 29 de Dezembro de 2020, há 2 semanas.