Jucemg completa 127 anos com inovações tecnológicas e redução de custos

Publicado em: 28 de Julho de 2020, há 2 semanas.

Com um clique do mouse no computador, o empresário mineiro pode abrir hoje uma empresa a qualquer hora do dia e da semana. A facilidade e agilidade dos serviços oferecidos fazem parte do processo de simplificação e desburocratização empreendidos pela Junta Comercial de Minas Gerais (Jucemg) que, neste mês de julho, completa 127 anos.

Do registro feito à caneta na antiga sede instalada em Ouro Preto, a Jucemg chegou, atualmente a ter 50% do processo de abertura de  empresas feito de forma automática, sem intervenção humana.

Pelo registro automático, o deferimento de um empreendimento é imediato, com a emissão na hora do Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ), após a aprovação da consulta de viabilidade.

Para o presidente da Jucemg, Bruno Selmi Dei Falci, a inovação tecnológica tem a função de facilitar a vida do empresário, simplificando ao máximo o processo de registro, com segurança. “Ao fazer com que o empresário poupe esforço na constituição do negócio, sobra mais tempo para ele exercer sua atividade fim”, completa.

Interiorização

A Jucemg expandiu os serviços para o interior, com a introdução do projeto Minas Fácil, em 2004, que serviu de modelo de simplificação para as demais Juntas Comerciais, ao interligar os principais órgãos envolvidos na formalização de um negócio em um só local.

A partir deste serviço, a autarquia mineira passou a ser referência e a exportar sua tecnologia e know how aos estados, sendo a primeira Junta Comercial do país a adotar o registro digital, em 2012, e a trabalhar com a Rede Nacional para a Simplificação do Registro e da Legalização de Empresas e Negócios (Redesim), criada em 2007. 

A Jucemg ampliou as parcerias com prefeituras, integrando 305 municípios à Redesim, sendo 32 deles integrados no primeiro semestre deste ano, o que representa quase 90% de todo movimento empresarial em Minas.

Para efetivar essa parceria, a Jucemg chegou mais próximo dos empresários pelo projeto Sala Mineira do Empreendedor. Hoje são 240 salas em funcionamento, dos quais 25 foram inauguradas em 2020. Iniciativa da Jucemg em parceria com o Sebrae-MG e prefeituras, a Sala Mineira é um local de referência no município com serviços e informações para o empresário abrir e fomentar seu negócio.

Reformulação

Além das inovações tecnológicas que permitiram mais eficiência na prestação dos serviços, a Jucemg passou por um processo de reformulação. De acordo com um novo modelo de gestão, a Junta Comercial adotou uma série de medidas e providências que reduziram custos, sem perder a eficiência e qualidade dos serviços.

Em números, isso representou uma economia de aproximadamente R$ 1 milhão no primeiro semestre de 2020, uma queda nas despesas de 7% em comparação ao mesmo período do ano anterior. Em 2019, a redução foi de 15% em comparação a 2018.

“Fizemos reformulações importantes, como cortes de serviços internos, revisão de contratos e redução de cargos comissionados. Além disso, reduzimos a ocupação do prédio, que antes era de 13 andares, para menos da metade”, completa o presidente Bruno Falci.

Outra medida importante tomada pela Jucemg é a alienação de imóveis ociosos em Belo Horizonte e no interior, avaliados em R$ 30 milhões. A Junta irá alienar sete imóveis, sendo cinco escritórios regionais (Uberlândia, Governador Valadares, Monte Claros, Varginha e Juiz de Fora) e os dois prédios da antiga sede, na Avenida Santos Dumont, em Belo Horizonte.

Publicado em: 28 de Julho de 2020, há 2 semanas.