Transferência da capital mineira marca a história da Junta Comercial na sua primeira década de atuação

Publicado em: 9 de Julho de 2020, há 1 ano.

No dia 12 de dezembro de 1897, a capital mineira foi transferida de Ouro Preto para o Arraial de Curral Del Rei, que passa a se chamar Belo Horizonte em 1901. Foi uma iniciativa inédita no país: o arraial dava espaço para uma cidade planejada. O projeto original foi apresentado em 1895 por Aarão Reis e tinha como principal característica a divisão da nova capital em zonas urbana, suburbana e rural, cada uma com um papel definido dentro da organização da nova capital. 

Em 1899, a Junta Comercial de Minas Gerais também é transferida para Belo Horizonte, como já estava previsto no artigo primeiro do seu regulamento. A partir dos anos 1930 a cidade começa a ganhar impulso nos setores de comércio, serviços e indústria. Segundo Clélio Campolina Diniz, em seu livro “Estado e capital estrangeiro na industrialização mineira”, na primeira fase o setor dinâmico foi a indústria alimentar, especialmente laticínios e açúcar. Essas indústrias se desenvolveram preponderantemente nas regiões da Mata, Sul e Centro. Nas duas primeiras, ao mesmo tempo em que eram complementares e substitutivas da atividade cafeeira, vinculavam-se aos mercados do Rio de Janeiro e São Paulo. Na região central voltavam-se essencialmente para o mercado de Belo Horizonte e alguns núcleos mineradores, como Nova Lima. 

A indústria de laticínios foi beneficiada com os obstáculos à importação por causa da Primeira Guerra Mundial e passou a ocupar um lugar de destaque no mercado nacional. Em 1913, o país importou 2 mil toneladas de queijo, 2 mil toneladas de manteiga e 3 mil toneladas de leite em conserva. Em 1918, a importação já havia caído para 1,6 toneladas de queijo, 72 toneladas de manteiga e 720 toneladas de leite em conserva.

Neste mesmo período, ao lado de um grande número de engenhos, surgiram usinas de açúcar. A incipiente indústria metalúrgica mineira começou a ganhar fôlego a partir de 1920 e tornou-se responsável pela manutenção da posição de Minas na economia nacional na década de 1930. O primeiro alto-forno do Estado, a Usina Esperança, foi instalado em 1889. A Companhia Siderúrgica Mineira começou a funcionar em Sabará, em 1917. Fundada pelos engenheiros Amaro Lanari Gil Guatimozin e Cristiano Guimarães, a companhia foi incorporada em 1921 pela Siderúrgica Belgo Mineira. Em 1937, entrou em operação a unidade da Belgo Mineira em João Monlevade. 

Outra característica da economia mineira nesta época é a sua diversificação com uma grande variedade de atividades desenvolvidas no Estado. Dados da Junta Comercial revelam que, em 1926, havia no Estado 23.700 indústrias e estabelecimentos comerciais registrados, sendo indústrias de laticínios em geral, de bebidas, de calçados, de móveis e de outras atividades.

Junta Comercial de Minas Gerais: Memória e História - 1893 - 2011
Organizadores: Airton Guimarães - José Eustáquio Oliveira de Souza
Editora Vega, 2011

Publicado em: 9 de Julho de 2020, há 1 ano.